Covid-19: Fome à Espreita em Moçambique

Cidadãos de baixa renda dizem não ter como se preparar para eventuais quarentenas devido ao Coronavírus. Este extracto da sociedade afirma que, diferentemente dos outros, não consegue fazer stock de alimentos.

É o Coronavírus a expor a pobreza de muitos moçambicanos de baixa renda. Enquanto os outros compram e armazenam alimentos para eventuais quarentenas, os outros só têm capacidade de compra para consumo imediato. É o caso da Rosa António que compra açúcar de 10 meticais por dia.

O carvão vegetal é muito usado nas cozinhas dos moçambicanos. Muitos dos clientes da Ângela Ricardo são cidadãos de baixa renda que compram carvão de 20 a 30 Meticais por dia.

É sempre no final do dia que esses clientes aparecem, ao saírem das suas fontes de renda.

Não havendo condições para stock de alimentos, até óleo alimentar há quem compra a mais mínima quantidade a 5 Meticais por dia.

A vendedeira de óleo não tem rancho doméstico. Ao contrário da recomendação da OMS de 3 refeições por dia, ela só consegue preparar a única refeição do dia no final da tarde, com os reduzidos lucros.

Muita é a vontade de ficar em casa por parte dos nossos entrevistados, mas a busca do sustento é um desafio que os fazem agir contra vontade.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *